Pular para o conteúdo principal

Brahms sinfônico

Foto de Johannes Brahms em 1876.jpg
Johannes Brahms em 1876

Como Brahms viveu até o fim da última década do século XIX, deveria haver uma maior quantidade de registros de suas atividades, vivências e ideias. Mas ele mesmo tratou de destruir documentos, dificultando para a nossa geração decifrar suas grandes contradições. Ele ainda é mistério em muitos aspectos.

Uma faceta sua que pensamos conhecer hoje é sua autoconfiança: Brahms tinha uma habilidade fenomenal para compor em qualquer forma, e ele muitas vezes demonstrou ter consciência disso. Mesmo assim é notória sua delonga em concluir a primeira sinfonia. Aliás, todas as quatro, grandiosas obras de arte, mostram o lado inseguro do compositor, no que se refere ao atraso em sua conclusão e publicação. Talvez ele fosse exigente demais consigo mesmo. Ou será que ele não era tão seguro de si como pensamos?

Depois de Beethoven e suas nove sinfonias, especialmente a monumental nona, que revolucionou a forma sinfônica, nenhum compositor poderia escapar ao peso de genialidade tida como insuperável. Especialmente Brahms, que já era um músico consagrado de 40 anos de idade quando apresentou ao público sua primeira sinfonia, e que tinha plena consciência de que era visto pelo público como o grande "herdeiro" de Beethoven.

O sucesso dessa obra, chamada por alguns de "Décima de Beethoven," não foi suficiente para amenizar a ansiedade de Brahms em relação ao gênero sinfônico. Mesmo assim, em menos de uma década ele compôs e publicou outras três. Esse período, conhecido como "período sinfônico," pode ser considerado curto se levarmos em conta a grande preocupação do mestre em relação ao gênero. Sabemos que ele levou 21 anos para compôr a primeira, outros sete para lançar a segunda, e alguns historiadores afirmam que, após a terceira e a quarta, ele trabalhou arduamente em uma quinta antes de abandoná-la e destruir qualquer registro de seu trabalho.

Depois do lançamento da primeira sinfonia, em 1876, Brahms só iniciou a segunda seis anos depois, trabalhando nela por quase um ano: um tempo relativamente curto, mas não sabemos com que grau de tensão e ansiedade. A rapidez com que vieram, na sequência, a terceira e a quarta, talvez se deva a uma certa luta interna, iniciada com as obras anteriores, onde as ideias da quarta já teriam se esboçado como reação ao trabalho corrente. Ou talvez resultado de uma maior autoconfiança...

A terceira sinfonia foi muito bem recebida pela crítica e pelo público, mas, como era de se esperar, não foi unânime, e não sabemos como Brahms se sentiu em relação a isso. Alguém a chamou de "Eroica de Brahms" e foi considerada retrógrada pelos wagnerianos. Enquanto Wagner era visto como revolucionário e vanguardista, Brahms ficou marcado pela sua insistência em cultivar a tradição romântica.

Sinfonias 1 e 3 na íntegra, regidas por Karajan:
Johannes_Brahms_by_Luckhardt_c1885-720.jpg
Johannes Brahms cerca de 1885

Comentar

HTML restrito

  • Tags HTML permitidas: <a hreflang href> <em> <strong> <cite> <blockquote cite> <code> <ul type> <ol type start> <li> <dl> <dt> <dd> <h2 id> <h3 id> <h4 id> <h5 id> <h6 id> <img src alt data-entity-type data-entity-uuid>
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.