downstream
downstream
downstream
downstream

Tela de poliéster

Blog
Tags : materiais de pintura

Atualmente considerada superior à de linho e ou algodão em durabilidade e estabilidade, a tela de poliéster é, também, mais fácil de preparar. Mas alguma coisa me incomoda na brancura artificial dessa tela.

Experimentei usar poliéster pela primeira vez em 2011. Comprei um tecido Oxford em uma loja de tecidos para vestuário. A trama é suficientemente fechada e a textura assustadoramente uniforme. É muito, muito fácil de esticar e de preparar a tela. Não precisa nem lixar e ela permanece bem esticada independentemente de umidade, calor, frio, etc. Também muito bom de pintar a óleo depois de algumas camadas de gesso acrílico: a textura uniforme favorece bastante o trabalho detalhado.

20210509_193454.jpg

Pintei poucos quadros com esse material. Os restauradores dizem que é muito superior ao linho e ao algodão em durabilidade e estabilidade. Mas a brancura artificial desse tecido não me deixa confortável. Será que posso confiar?.

Acredito que haja inúmeros tipos de poliéster no comércio, fabricados de inúmeras maneiras diferentes. Como saber qual deles realmente resistirá ao teste do tempo? Se é que algum vai mesmo resistir...

Estou falando de tecidos que são vendidos em lojas de tecidos e fabricados para confecção de roupas e não para telas de pintura. No exterior se encontra, em algumas casas de materiais artísticos, tecidos de poliéster (com ou sem imprimação) que se dizem fabricados especificamente para arte, mas costumam ser mais caros que o linho.

Minha segunda experiência com tela de poliéster ainda está em curso. No início de 2020 comprei, na Koralle, um rolo Talens já imprimado que ainda estou usando. Eu esperava um pouco mais de qualidade quando fiz a compra. O tecido usado tem a trama um pouco aberta e a imprimação apresentou defeitos em vários trechos. Perdi alguns pedaços grandes por causa desses defeitos. Além disso, a tela, estranhamente, depois de esticada, muitas vezes fica frouxa, me obrigando e re-esticá-la. Ainda não entendi o que causa isso, se são as variações de temperatura e umidade do ar ou se é o gesso acrílico que aplico, em duas ou três camadas, em cima da imprimação original, que acho lisa demais.

Um aspecto positivo é a perfeita combinação de flexibilidade (não craquela de jeito nenhum) e elasticidade. No caso, a elasticidade é praticamente zero, o que é ótimo para a tinta a óleo.

20210509_192656.jpg
Ainda estou tentando descobrir como e por que o verso da tela tem essa cor que parece querer imitar linho.

Enfim, se alguém me perguntasse se eu recomendaria essa tela da Talens, eu diria que não, considerando o preço e os defeitos mencionados acima. Eu esperava mais desse fabricante, cuja tinta a óleo Rembrandt gosto muito.

Atualmente, minha tendência é voltar a usar apenas algodão. Ainda não encontrei no Brasil tecido de algodão com a qualidade e a textura de que gosto, mas não é caro nem difícil importar da América. Para telas pequenas é perfeitamente possível usar aquele algodão brasileiro bem fino, desde que seja limpo (sem pontos pretos/marrons) e com a trama bem apertada. Alguns são de ótima qualidade. Para telas de tamanho médio, porém, ele já fica muito frágil.

Melhor mesmo seria usar linho, mas um linho de qualidade com a trama e a textura adequadas para o meu trabalho tem um custo, no momento, proibitivo. Praticamente o mesmo se pode dizer de uma boa tela de poliéster importada já imprimada.

20210509_192009.jpg 20210509_192039.jpg

...

não há comentários

Escrever um comentário

Capcha
Digite os caracteres que aparecem na imagem